Causas e Conseqüências

Muitas pesquisas ainda estão sendo realizadas e as respostas são limitadas, mas já podemos afirmar que a SPI pode ter diferentes causas.

A SPI também tem uma intensa história familiar com uma influência genética muito forte. Pesquisas já determinaram que os genes do cromossomo 12 ou 14, dependendo da família, são os responsáveis. Essa forma de SPI é conhecida como primária ou familiar.

A SPI também pode ser resultante de outras condições, são as SPI secundárias. Durante a gravidez, 15% das mulheres desenvolvem SPI. Os sintomas desaparecem depois do parto. Anemia e baixos níveis de ferro no sangue também são associados a sintomas de SPI, assim como outras doenças crônicas (neuropatia, problemas renais). Estudos recentes apontam para a associação entre SPI e Transtornos de Hiperatividade e Déficit de Atenção (TDAH).

Se você não tem história de SPI na família e os sintomas não estão associados a outras condições, então a doença é chamada idiopática (sem causa).

Idade

Embora o diagnóstico seja feito em pessoas de meia idade, muitos deles podem lembrar-se de sintomas já presentes na infância, principalmente naqueles com SPI familiar. Esses sintomas na infância podem ter sido chamados de dor de crescimento ou hiperatividade, porque a criança não parava quieta na hora da aula. Crianças inquietas, hiperativas que pedem para massagear suas pernas na hora de dormir podem estar manifestando a SPI.

Diagnóstico

O diagnóstico de SPI é feito através da história clínica e da descrição das sensações. Não há exames laboratoriais que confirmem o diagnóstico, mas estes podem ser feitos para afastar outras doenças do sono. O exame de sangue (dosagem de ferritina, ferro sérico e capacidade ferropéxica) é necessário para medir a deficiência de ferro.